17 de jul de 2016

BRITNEY E A REPERCUSSÃO DE "MAKE ME" NA IMPRENSA MUNDIAL


Make Me chegou de surpresa e causou um verdadeiro caos na internet nesta sexta-feira (15), e nós não podemos começar este post sem antes dizer como estamos orgulhosos de Britney Spears! Parabéns, princesinha!

Sem anúncio ou qualquer apelo visual, a música mal chegou na rede e já saltou para a primeira posição do iTunes americano (levou pouco mais de 1h após seu lançamento), desbancando hits como o atual single de Justin Timberlake – que depois que perdeu o reinado para Spears acabou despencando para o Top 5 do ranking. Este é o primeiro single de Spears em anos a conseguir tal feito, e é também um de seus mais rápidos a ter esse desempenho na loja.

Não só falando em iTunes (onde Spears liderou em mais de 50 países ao longo do dia), a qualidade vocal e de produção da música conquistaram os fãs quase que instantaneamente. O foco desta vez não foi apenas a produção da música (as batidas incríveis e diferentes que ela geralmente traz para sua discografia), mas sim o seu próprio vocal, que está surpreendentemente mais calmo, limpo e seguro.

Um fato curioso: nós já acompanhamos diversos lançamentos de Britney no site, principalmente dos carros-chefes, e sem dúvidas esta é a primeira vez que a maioria esmagadora dos fãs aprovou o trabalho que ela teve nesta canção. Foi uma madrugada realmente cansativa (apenas descansamos por algumas horinhas), mas foi tudo muito lindo de acompanhar e de fazer!

“É uma sensação incrível. Obrigada, obrigada, obrigada. Obrigada G-Eazy por levar a música a um novo nível. O trabalho de BURNS em Make Me pode ser descrito com uma palavra… sensacional!”, disse Britney em suas redes sociais.

Como sempre fazemos em lançamentos, reunimos neste post a repercussão do novo single de Britney na imprensa internacional. Confira:

THE GUARDIAN

“Nova música de Britney confirma que os dias de faixas completamente agitadas acabaram.
A última vez que Britney Spears mirou no pop que estava em alta em sua mal aconselhada colaboração com Iggy Azalea em 2015, Pretty Girls (essencialmente uma versão pobre de Fancy), os resultados foram tão indelicados que ela inadvertidamente tirou a carreira de Azalea dos eixos. A falta de sucesso da canção resultou numa troca reprimida de mensagens de uma com a outra, com Azalea agora pagando no purgatório pop, também conhecido como o painel de jurados do The X Factor Austrália. Por isso, é com ligeira cautela que nos aproximamos de Make Me, o primeiro single de Spears de seu ainda não anunciado nono álbum, que acaba de ser lançado. Mais uma vez ela mira no que está em alta no pop atual – uma faixa com pegada mais sexy, calma – mas desta vez ela se sai como vencedora.
Houve um período (não muito tempo atrás), quando estrelas pop eram contratualmente obrigadas a lançar singles voltados para EDM, acertando em cheio os ouvintes sobre noitadas em boates ou simplesmente cantando sobre ser indestrutível ao som de algo que David Guetta ou Calvin Harris encontraram perdidos em seus laptops. A música pop parecia apenas conhecer um ritmo, e isso foi ASSUSTADOR! Felizmente, para os nervos de todos, parece que esses dias acabaram, com Make Me montando a crista de uma onda muito mais paciente e relaxada.
Não são músicas frenéticas, mas não são baladas lentas também. Essas canções mid-tempo têm também dominado as rádios dos Estados Unidos, destacando – pelo menos na América – uma tendência em direção a algo, pelo menos, aproximado ao sutil. Make Me é de longe o mais lento e contido single de Britney – seu último carro-chefe, a frenética Work Bitch, reuniu os talentos do senhor da house music Sebastian Ingrosso e sem sutilezas will.i.am. Make Me é uma lenta carícia no rosto, ao invés de um tapa suado na cara.
Obviamente, ninguém está sugerindo que está é a morte dos hits de boates. Ou que as pop stars irão para sempre focar em algo mais sexy e lento, mas é interessante ver a mudança de ritmo até o pop de nível superior. Make Me, no entanto, vem com um supérfluo rapper convidado, G-Eazy, provando que, na verdade, algumas coisas no pop nunca mudam.”

LA TIMES

“Britney Spears está de volta, e fazendo as coisas de forma muito diferente.
Desde seu surgimento no final da década de 90, Spears lançou cada novo projeto com um hit e tanto. Oops! … I Did It Again, I’m a Slave 4 U, Me Against the Music, Gimme More, Womanizer, Hold It Against Me, Work Bitch — todas são canções que mantiveram os olhos nas boates e rádios pop.
Mas Spears está se aventurando fora de sua fórmula já confiável com o lançamento de Make Me, o primeiro single de seu nono álbum.
Produzido pelo inglês DJ-produtor Burns (Ellie Goulding), que também co-escreveu a faixa com Spears, Joe Janiak e o convidado especial da canção, G-Eazy, Make Me leva Brit em direção a um som de influência mais alternativa e de R&B.
BURNS criou uma faixa exuberante que evita em grande parte os efeitos de Vocoder e Auto-Tune que pontilhavam os trabalhos mais recentes de Spears. O resultado é uma música que permite que a cantora cante — realmente cante.
E Spears soa melhor do que em anos, comandando a faixa com um tom morno que pelo menos não se sente dependente de assistentes de estúdio para fazê-la soar viva.
“Eu só quero que você me faça me mexer, como se você não tivesse outra escolha, como isso fosse sua missão”, ela instrui seu amante antes de explodir no refrão simples, porém eufórico, de “ooohs”.
Esse som R&B mais sensual não é um território totalmente novo para Spears, já que ela flerta com ele ao longo dos anos, mas raramente de forma tão convincente.
E emparelhado com a faixa retrô de “Private Show”, outra nova música que ela deixou como amostra em seu mais recente comercial de perfume, Spears parece ter relaxado num som maduro que não precisa agitar as boates.
Make Me é um retorno bem-vindo para Spears, que tem lutado musicalmente nos últimos anos.
Se estas novas canções são qualquer indicação de como será o álbum, Spears pode estar à beira de seu maior regresso de todos.”

FUSE

“Britney está de volta (vadia) … mas não como você necessariamente lembra dela.
Precisamente na tendência, o single de retorno de Spears, Make Me…, utiliza a vibe electro-pop mais sombria que está dominando as rádios de hoje, como é possível ouvir nos últimos lançamentos de Selena Gomez, The Chainsmokers e Demi Lovato. Mas o refrão arrebatador possui os sussurros divertidos e ofegantes que Brit tornou parte da assinatura de sua discografia e que contribui para que este single deixe sua B Army orgulhosa.
Em meio a vários rumores falsos sobre a data de lançamento e até mesmo sobre seu título, “Make Me…” está finalmente liberado e parece ter sido lançado do jeito que a estrela queria. O single pegou um pouco de surpresa, após o vazamento ameaçar estragar essa surpresa. Mas o mais importante é que Make Me… afasta Britney com sucesso da ideia de que todo primeiro single de seu álbum precisa ser um hit para boates. A maioria de seus fãs adoram faixas sensuais como Breathe on Me e Touch of My Hand, e sei que são algumas das favoritas de Spears. Seguir essa direção mais sensual e temperamental não é apenas refrescante para os ouvintes, mas provavelmente também para a veterana princesa do pop. Quando os resultados estão assim tão deslumbrantes, como alguém poderia reclamar?”

THE WALL STREET JOURNAL

“Make Me…, a música ardente parece a Britney de antigamente e a Britney de 2016, tudo ao mesmo tempo – é atraente, sexy e revigorante.”
PAPERMAG“Britney retorna com a excelente nova música Make Me!
A modesta duquesa do pop, Britney Spears, lançou A MÚSICA do verão com participação do rapper G-Eazy.
A épica canção traz Britney soando MELHOR do que… na última década?
De verdade, seus vocais são de primeira qualidade, enquanto ela canta em voz baixa sobre querer que seu pretendente corte o papo furado e vá logo pra cama com ela.
A música vai fazer você querer gritar pelo seu escritório e rastejar pelo chão. Só eu tive essa sensação? Ok.
A faixa alcançou o topo do iTunes, mostrando que Britney – 20 anos depois – ainda é A rainha.”

COMPLEX

“Britney Spears está de volta com o primeiro single do seu próximo álbum e a rainha reinante do pop não decepciona com Make Me. A faixa traz Spears mergulhando em território familiar, com batidas provocativas e arrancadas de guitarra – cortesia da produção de BURNS, borbulhando sob a superfície de seus vocais sensuais característicos enquanto implora que você a faça (gemer) “ooh, ooh” no hook. “Eu só quero que você me faça me mexer, como se você não tivesse outra escolha, como isso fosse sua missão”, ela canta para se certificar que você entendeu o que ela quer.
Um pouco depois, o rapper de Oakland G-Eazy se apresenta na faixa para responder ao pedido de Spears e manda seu freestyle sobre como ele está disponível para sair com ela a qualquer hora. Ele ainda reserva um momento para fazer referência a Penélope Cruz no filme Blow.
Esta não é a primeira vez que Spears procurou um rapper para participar de uma faixa. De volta em 2015, ela se juntou com Iggy Azalea para Pretty Girls, embora tenha havido um certo drama em torno da canção quando Azalea culpou Spears pelo fracasso da canção. Make Me já está gerando uma enorme resposta dos fãs e soa como um sucesso que vai construir airplay e impulsionará Spears enquanto ela se prepara para lançar seu super aguardado non álbum de estúdio, sucessor de Britney Jean (2013).”

HOLLYWOOD LIFE

“Nós já dissemos isso antes — mas desta vez, realmente é pra valer. BRITNEY. ESTÁ. DE. VOLTA!
Sua nova música não só desbancou Justin Timberlake do iTunes, como também soa como a Britney que sempre amamos.”

METRO

“Britney libera sua nova faixa Make Me – e é uma de suas melhores em anos!
Ela lançou a primeira faixa de seu próximo álbum de estúdio, e tem uma pegada mais lenta e sensual.
Spears tem mostrado estar trabalhando desde o álbum Britney Jean (2013) – o que pareceu uma eternidade, mas agora ela finalmente lançou o carro-chefe, e que certamente está de acordo com suas promessas de ter feito um CD mais relaxado em relação ao seu anterior.
É provavelmente um de seus melhores singles em anos.”

SPIN

“A monarca do pop Britney Spears parece ter se limpado do desastre de Iggy Azalea no verão passado com um astuto novo single, Make Me. Com um verso do convidado especial G-Eazy, Make Me realmente não passa da marca de mid-tempo, mas Spears oscila muito bem entre versos rápidos e fortemente enunciados, e elevações comoventes de “oooh, oooh, oooh.” Este single marca a primeira prova do próximo álbum de estúdio da cantora.”

PEOPLE

“Britney está de volta! Ela está sexy e dócil na suave canção, uma proposta muito mais descontraído do que os usuais hits da princesa do pop. A canção é seu primeiro lançamento desde a pegajosa colaboração do verão passado com Iggy Azalea, Pretty Girls.
A loira também lançou a capa do single, que exibe seu corpo tonificado durante uma caminhada no deserto, enrolada apenas num pedaço branco de tecido e um arrasador par de botas. E uma curiosidade: ela desbancou o ex-namorado Justin Timberlake no primeiro lugar do iTunes. Só o tempo dirá qual hit sairá triunfante como a Canção do Verão de 2016!”

BILLBOARD

“Finalmente está aqui! Após passar um tempo insinuando sobre seu novo som – o que pareceu uma eternidade, Britney Spears liberou sua faixa, Make Me, com G-Eazy. Brit está em seu melhor jeitinho sexy na nova música!”

USA TODAY

“Aviso: Hey, essa é a Britney, (palavrão). Sendo assim, alguns versos não são apropriados para se ouvir no trabalho.
Só para confirmar que de alguma forma voltamos para a década de 90, Britney Spears lançou um novo single na quinta-feira à noite. Em Make Me, que inclui os raps de G-Eazy, Brit-Brit quer que o objeto de sua afeição a faça se mexer. Uma coisa que ela certamente “fez direito” é a arte do single. Num figurino revelador, ela nos dá uma vibe da Britney de antigamente. Com seu abdômen em plena exibição e esse cenário empoeirado, mais alguém aí teve um flashback de seu vídeo “Not a Girl”?”

POP CRUSH

“Make Me: O renascimento musical de Britney Spears
Se Britney começar [num som mais] lento, ela ainda pode nos fazer gemer?
Ela é uma entertainer de grande sucesso em Las Vegas, uma perfumista prolífica, uma Instagrammer icônica e uma mina excepcional com duas crianças em seus braços, mas sua presença nas rádio não tem sido sentida — exceto por uma Britney britância há uns três anos em Scream & Shout de will.i.am — desde 2011 com o álbum Femme Fatale.
Apesar de um grande número de hits e uma reputação de lenda viva, a ideia de revigorar a marca Britney este ano, uma marca que está focada exclusivamente em encher assentos em uma residência de grandes sucessos, parece mais um desafio do que nunca.”

Fonte: X-Britney. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário